fbpx

O Guia Supremo da Educação – Tudo sobre faculdades, como aprender sozinho e alcançar o sucesso na era digital

“Você vai ser um grande advogado!”
 
Com um abraço, Martinho tinha seu futuro selado.
 
Vindo de uma família de negócios, seu pai amou a ideia jurídica.
 
“Um filho para ajudar com processos, impostos e clientes idiotas? Que orgulho!”
 
Ele só não esperava uma tempestade, uma missão e a transformação do ocidente.
 
Alguns anos e joelhos ralados depois.
 
Martinho, afogado nos desejos familiares, começou seus estudos sobre direito na universidade de Erfurt, Alemanha. Lá, estudou o currículo normal: aritmética, astronomia e geometria. Conseguiu até um mestrado. O caminho para os tribunais estava claro como o sol do meio dia.
 
Até que uma tempestade o surpreendeu. 
 
Janelas quebrando em mil fragmentos, árvores sendo arrastadas como folhas de papel, pessoas com a face colorida pelo medo.
 
Martinho era diferente? Eu diria que sim, se isso fosse uma adaptação da Disney.
A proximidade da morte o deixou imóvel – nos membros superiores. Suas canelas vibravam tanto quanto seus dentes rangiam.
 
O mais assustador estava por vir.
 
Após minutos sem fim de membros vibratórios e roupas molhadas (de suor frio), um raio partindo da nuvem mais carregada atinge o solo a poucos centímetros do nosso herói.
 
KABUM!
 
Não havia jeito…
 
Martinho se joga ao chão e lança aos céus: “DEUS! Salve-me dessa tempestade e prometo virar padre.” 
 
No final de 1505, Martinho dá início às suas aulas no mosteiro agostiniano. O primeiro passo para se tornar Lutero. Transformado pelo trovão, amadurecido por estudos e fortalecido por sua fé – ele começa sua missão.
 
Com suas 95 teses, ele partiu a igreja ao meio.
 
Mostrou a fraude das indulgências – tributos pagos à igreja em troca do perdão de pecados. 
 
Defendeu que cada um fosse salvo de acordo com sua fé e interpretação bíblica.
 
Semeou e cultivou o protestantismo. Religião com 1 bilhão de pessoas hoje.
 
Traduziu a bíblia em palavras acessíveis, dando aos homens comuns o poder da interpretação, antes concedido só a padres.

***

Meu nome não é Lutero.
 
Minha insatisfação não é contra igrejas, mas contra universidades.
 
Não escrevo pergaminhos, mas na internet.
 
Não vou apresentar 95 teses, mas um guia.
 
Lutero transformou o ocidente.
 
Eu quero transformar a educação.

O que é este guia?

Tudo que você precisa saber sobre faculdades, da forma mais breve possível. 

É um convite para ver além do diploma e um mapa para alcançar o sucesso na era digital.
 
Como Lutero, o guia defende esta ideia.

Por que é importante?

Melhorar o mundo. Educação é o berço das mentes brilhantes. Mentes brilhantes tornam o mundo melhor. Uma educação ineficiente prejudica um mundo melhor.
 
Melhores decisões. Boas decisões consideram todos os pontos de vista. Talvez você tenha ouvido só seus pais, amigos universitários ou pior: sites, anúncios e celebridades que vivem do dinheiro das faculdades. Esse guia é diferente. Não tenho vínculo com nenhuma instituição. Vou dar a informação necessária para decidir se universidades valem a pena.
E, se valem, entrar pelo motivo certo.
 
Destruir mentiras. Rasgar mitos que dizem que na ausência da faculdade seu sucesso será exterminado. 
 
Sucesso além do diploma. Mostrar grandes exemplos da história, possíveis soluções para a educação, entregar as melhores práticas para aprender sozinho na internet e alcançar o sucesso na era digital.
 
Falar pelos calados. Muitos enxergam as ineficiências da faculdade. Poucos fazem algo a respeito. Esse é o papel do escritor. Dar palavras ao que outros só pensam. 

O que vamos aprender?

Tudo sobre faculdades. O que são. Pontos positivos e negativos. O que não se aprende nelas. O currículo do século XXI. Traços dos inovadores. Possíveis soluções. Pequenas respostas para perguntas gigantes sobre educação. 
 
Sucesso na era digital. Como ser um autodidata. Como tirar o máximo da internet. Como encontrar oportunidades. Como não depender de um diploma para conquistar seus sonhos.
 
(Trabalha com saúde? O próximo guia será específico nessa área. Entre na minha lista de emails para saber quando ele for ao ar).

Quem sou eu em 10 segundos

Meu nome é Matheus Ferreira. Sou o criador do Inteligência Muscular. Um site que explora a ligação entre a saúde, a performance e o conhecimento.

Eu leio para conhecer e escrevo para aprender. Meu objetivo é encontrar as melhores ideias da internet e entregá-las de uma maneira simples, eficiente e prática. Todos os anos milhares de pessoas acessam meus artigos e guias.
 
Quando não estou escrevendo, ajudo pessoas inteligentes a alcançar físicos incríveis. Sem drogas. Sem dores. Sem sofrimentos. Saiba mais aqui.
Sit scriptor committitur.
 
Em português, vamos começar.

Universidades - o que eram e o que se tornaram

 “Se você vê fraude e não grita fraude, você é uma fraude.” – Nassim Taleb

“O verdadeiro inteligente é o que sabe que não sabe nada.” Diz Sócrates aos seus alunos.
 
Na rua, sujo e com o mamilo de fora. Essa foi a semente da universidade.
 
Alguns anos depois, uma outra voz.
 
“Nós somos o que fazemos. Excelência não é um ato. É um hábito.” Diz Aristóteles.
 
Vestimentas limpas, alunos penteados e aulas dentro do Liceu – a primeira flor universitária.
 
Outro salto histórico.
 
Dezenas de deuses para um. Túnicas para armaduras. Filosofia para a Mona Lisa.
 
Bem vindo ao Renascimento.
 
Nessa época elegante, escolas foram criadas para dar abrigo a moços de 18 anos – com 100 guardas “vigiando”. A maioria dos crimes eram cometidos por jovens. Então, eles eram isolados por 4 anos nas universidades para “aprender”.
 
Avance um pouco mais na história.
 
O Deus continua uno. Armaduras de volta a túnicas. Filosofia para a fé.
 

Bem vindo a era das Igrejas, o berço das universidades ocidentais. 

Fundadas pelos defensores do cristianismo, a primeira oficial foi a de Paris. Famosa por seu ensino em teologia e modelo para as que estavam por vir, como Cambridge e Oxford.

Até o século 18, a maioria ofereceu o currículo comum: gramática, lógica, retórica, como dar uma surra em ateístas (brincadeira). Estudantes reprovavam, padres xingavam em latim, freiras rezavam.
 

Até que a reforma protestante explodiu. 

Nasce a primeira universidade moderna: Halle, fundada pelos luteranos, em 1694. Saímos da fé absoluta e passamos a sustentá-la com a razão.

Pensar é importante, mas quando indústrias colossais precisam de milhares de trabalhadores, é insuficiente.
 

Bem vindo à revolução industrial. 

Em 1800, trocamos a razão pela obediência.

Nasce um sistema autoritário. Baseado em comando, controle e conformidade.
 
Indústrias precisavam de trabalhadores, faculdades supriam a demanda.
 
Provas foram criadas. Disciplina foi forçada. Fileiras. Sinos para recreio. Uniformes. Permissão para ir ao banheiro. Chicotadas em troca de respostas erradas. 
 
O futuro chegou. Estamos em 2021. 
 
Países diferentes conversam por telas que cabem em bolsos. Comida é obtida com simples toques. O amor vive a um deslize para a direita.
 
A internet foi criada. O mundo digital se tornou uma máquina do tempo. Deu a cada um o poder de explorar a sabedoria humana sozinho.

  • Enciclopédias? Que tal o Youtube?
  • Bibliotecas? Que tal o Google?
  • Taxi? Que tal um Uber?

Escribas faziam 40 cópias de livros por dia. A prensa de Gutemberg criava 3600.

Contemplem a internet:

  • Um bilhão de horas assistidas no Youtube.
  • 4.4 milhões de artigos escritos.
  • 3.8 milhões de pesquisas são feitas no Google.
Tudo a um toque de distância.
 

Faculdades ergueram o ocidente. Eram o presente do conhecimento ao mundo. 

Mas o mundo mudou. E elas pararam na era industrial.
Universidades são onde as pessoas buscam conhecimento. Onde as pessoas querem melhorar suas habilidades. Onde o objetivo é expandir o conhecimento da humanidade.
 
Isso não acontece mais dentro das salas. Isso acontece online.
 
Os tempos mudaram. Os trabalhos mudaram. A economia mudou. A tecnologia mudou.
 
Agora é a nossa vez.

Receba novos guias como esse no seu email e ganhe o meu livro sobre os 7 princípios do sucesso físico.

Sem spam. Sem suplementos inúteis. Sem rasteiras.
Só as melhores ideias da internet.

Pontos positivos da faculdade

“Eu não tenho uma opinião sobre nada que não conheço o argumento contrário melhor do que meus debatedores.” – Charlie Munger

Conhecer pessoas

Faculdades são berços. Amizades são bebês. 

É super fácil fazer amigos na universidade. Todos na sala fazem o mesmo curso.

Semelhança cria empatia. Empatia quebra o gelo. 

  • “Então… Somos dois doidos né? O que te fez escolher esse curso?”
Amizade desbloqueada.
 
Alguns dos seus amigos serão para contar segredos, dar suporte emocional após um fora e tomar biritas periódicas. 

Outros, vão tentar roubar seu emprego, terceirizar todo o trabalho em grupos para você e nunca pagar as biritas periódicas que você bancou para eles no parágrafo acima.
 

Alguns vão sentar no primeiro banco do seu casamento. 

Outros, fingem combinar algo no final de semana.


Ser voluntário em projetos e empresas
Faculdades são centros de seleção. Dentro você tem uma vantagem. A empresa sabe ao menos que você não é um idiota.
 
Empresas usam ambientes acadêmicos para divulgar projetos e vagas. Uma grande oportunidade para ir além de nádegas em cadeiras, mitoses e gases nobres.
 
Explore. Suje as mãos. Contribua. Erre. Chore. Construa. Termine. Repita.
 
Quem vê entende. Quem faz, aprende.
 
Ganhar independência
Ficar longe dos pais ensina como o mundo funciona.

Almoço não aparece na mesa sozinho. Roupa não aparece lavada sozinha. Louça não aparece cristalina sozinha. 

Morar sem os pais é difícil, trabalhoso e solitário. Mas realizador.
 
Resolver problemas sozinho é o seu primeiro passo para se tornar um adulto de carteirinha.
 
Festas
É incrível o que o ser humano é capaz de fazer com alguns litros de etanol na cabeça.
 
  • Andar por cima de carros ao som de heavy metal.
  • Falar para pessoas que você as ama – depois de 5 minutos de conversa.
  • Acordar em ambientes desconhecidos com pessoas mais desconhecidas.
Aproveite. Histórias são eternas.
 
Maiores chances de conseguir uma entrevista e ganhar mais
O diploma é seu pé na porta. 
 
Algumas empresas apenas contratam com o selo de pedigree.
 
O emprego não está garantido, mas um empurrãozinho acadêmico ajuda.
 
Autoconhecimento
É impossível se conhecer com 18 anos. Você ainda não viveu o suficiente.
 
Só experiência, tempo e ação vão mostrar quem você é, o que você gosta e no que você é bom.
 
Médicos podem virar engenheiros. Nutricionistas podem virar advogados. Contadores podem virar bombeiros.
 

Sempre pergunte:

  • É isso que eu gosto?
  • Vou ser feliz nessa profissão?
  • Em 10 anos vou ter me arrependido?
Uma boa nova história sempre é melhor que terminar uma ruim.
 
Melhorar comunicação
Apresentando trabalhos, falando na frente da sala, escrevendo redações, defendendo TCC ‘s.
 
Faculdades são como fazer exercícios em casa quando a academia está fechada. 
 
Não é o melhor, mas serve. 
 
Definitivamente, dá uma surra em video-games e no Instagram. 
Aprender o que a faculdade ensina
Engenheiros, médicos e advogados. Vocês precisam de um diplomas. 
 
É isso ou continuar com projetos no Minecraft, investir na medicina chinesa ou virar político.
 
São as regras do jogo. Elas não criam o Neymar, mas permitem o futebol.
 
Incentivo para ler e debater
Filosofia, literatura e história.
 
Ler sobre o passado para escrever o futuro.
 
Discussão amigável com colegas para expor suas ideias e enxergar suas fraquezas.
 
Professores dispostos a ajudar e responder suas perguntas.
 
Atenção a palavra incentivo. É você que corre atrás.
 
Aprender habilidades de vida
  • Bebidas. Como fazer drinks ainda não conhecidos pela raça humana.
  • Como colar em provas ou estudar 15 minutos antes delas. Trabalho em equipe, pensamento de longo prazo e eficiência.
  • Como ter Alzheimer.  A única matéria que você lembra da faculdade é a… Hm… É… 
  • Lidar com pessoas e controlar emoções. Aprender que querer afogar alguém na privada por ter roubado seu bolo na geladeira não é nada cívico.
  • Cozinhar e comer bem. E aprender que, sem isso, seu bolso fica vazio e você esférico.
  • Delegação. Qual é a quantidade mínima de trabalho que você pode fazer pelo grupo para que eles não te incinerem na fogueira?
  • Lavar e passar roupas. E entender que se alguém te oferece esmola, a culpa é sua.
  • Finanças. Como ir em 17 festas, pagar o aluguel e ainda ter dinheiro para comer. 

***

Eu não sou contra ir para faculdade.
 
Pode ser vantajoso com as razões certas e um plano de ação.
 
Porém, será que isso é o que mais acontece? Quantas pessoas entram na faculdade com uma mente preparada para o futuro?
 
Vamos explorar o outro lado da moeda.

Pontos negativos da faculdade

“Eu nunca deixei a escola interferir com minha educação.” – Mark twain

Custo de oportunidade. 
Dizer sim é dizer não a todo o resto.

Custo de oportunidade é o valor do que poderia ser feito no lugar do que se está fazendo agora. 
 
Quanto custa ir para faculdade? Alimentação, aluguel, transporte. O óbvio. 
 
E quanto ao que você poderia fazer com 3200 horas (um curso de quatro anos) lendo, criando e executando seus conhecimentos?
 
E o negócio que você poderia criar com R$120.000 (uma faculdade de R$2000/mês) em 5 anos? [1]
 
Imagine tudo que você poderia fazer com o tempo, a energia e o dinheiro investido na faculdade.
 
Melhor: imagine João e Letícia.
 
João faz faculdade de administração, pagou R$100.000 na sua educação e está procurando um emprego há 6 meses, aceitando salários que estagiários se envergonhariam.
 
Letícia começou um negócio. Trabalhou duro por 5 anos. Cicatrizes mostram seus esforços. Gastou tempo e energia com sua educação. Aprendeu com livros, palestras, tentando, errando e tentando de novo. Hoje, emprega colegas do João.
 
Todo estudante de ouro tinha um grande futuro no seu passado.
 
Desenvolver independência longe dos pais?
Independência vai além da geografia.
 
Existem moleques que moram sozinhos e homens que moram com sua família. 
 
Maturidade é uma conduta, não onde você mora.
 
Quer independência? Comece com você.
 
Organize seu quarto. Organize seu futuro. Organize sua vida.
 
Faculdades vendem diplomas, não educação.
Educação virou um produto: diplomas. 
 
Como toda empresa, quanto mais vender, melhor.
 

Consequências: 

  • Provas fáceis.
  • Taxas de aprovação de 100%.
  • Diplomas para todo mundo.

Resultado: 

  • O nobre rapaz vendendo balas no sinal é formado em engenharia da computação.
Educação é grátis. Diplomas são caros.
Sucesso e diplomas – Inseparáveis?
Faculdades defendem que diplomas e sucesso jamais andam separados.
Vamos explorar o contrário:
 
  • Cada vez menos empresas cobram diplomas em entrevistas. 
  • Empresas montaram suas próprias faculdades: Google, IBM, Microsoft, Apple. 
  • Peter Thiel – Cofundador do Paypal – paga pessoas para não irem a faculdades.

Algumas pessoas nunca sentiram o cheiro de uma faculdade. Mesmo assim o patrimônio financeiro delas é maior do que o de todos os artistas acima – juntos.

Faculdades não são inúteis. Faculdades são uma possibilidade.

Vender diplomas como sinônimo de sucesso em um mundo digital com milhares de oportunidades é, no mínimo, ingenuidade e, no máximo, vigarice.

Diplomas significam conhecimento?
Um diploma na parede significa que você é educado da mesma forma que uma carteira de motorista significa que você dirige bem.
 
É um começo, mas raramente suficiente.

Diplomas significam que você investiu 3200 horas dentro de uma sala. Nada mais. 

Educação é individual. Os frutos das suas ideias mostram o valor da sua árvore mental.

Algumas profissões não são medidas com um papel.

Como se mede um guitarrista, um escritor ou um empreendedor?

Você pergunta: onde ele é formado? quantos cursos tem na área? Eu ouvi uma pós? 
 

Não. Você pede provas.

  • O guitarrista toca.
  • O escritor escreve.
  • O empreendedor resolve problemas.

Alguns trabalhos pedem diplomas: médicos, advogados, engenheiros. Outros, pedem resultados: atletas, empreendedores, escritores.

 
Ideologia.
Universidade lembra universo. Vasto, diverso e inclusivo. Porém, escolas se tornaram unicidades. Fechadas, singulares e exclusivas.
 
Na faculdade, vão entregar um ponto de vista. Muitas vezes, com esse óculos.
O seu dever enxergar além. Perguntar o contrário. Explorar o diverso. Mesmo que sozinho.
 
Se a unicidade se concretizou dentro dos muros acadêmicos, é sua obrigação criar a universidade dentro da sua mente.
 
Como? Lendo.
  • Seu professor falou algo? Leia o contrário.
  • Seu amigo defende algo? Leia o contrário.
  • Sua namorada terminou com você? Leia o contrário.
  • Um gato atravessou a rua e foi atropelado por um caminhão? Leia o contrário. [2]
Com o tempo, óculos quebram, olhos enxergam e mentes funcionam.
 
Prática zero. Teoria ineficiente.
Eu não lembro nada que aprendi na faculdade.
 
Tive aulas sobre assuntos que tenho certeza que nunca mais vou ver.
 
Sabe para que serve o esternocleidomastoideo? 
 
Balançou a cabeça em sinal negativo? você acabou de usá-lo. 

É o músculo do seu pescoço.
 
Esse é o problema da faculdade: dificultar o inútil enquanto não ensina o essencial.

  • Ciência.
  • Persuasão.
  • Marketing.
  • Leitura.
  • Escrita.
 Eu não lembro nada da faculdade. Mas lembro tudo que aprendi sozinho.
 
Destrói a criatividade.
O que é criatividade?
 
Não é pintar Mona Lisas, escrever obras ou inventar lâmpadas.
 
É mais simples que isso.
 
 
Criatividade é aprender a enxergar. É juntar o diferente e criar algo novo. É não se preocupar com a resposta certa, mas com a pergunta mais interessante.
 
Como as escolas ajudam nisso?
 
  • Pensar fora da caixa é punido.
  • Questões de múltipla escolha.
  • Despejar fatos sem questionamento.
  • Pune o erro, recompensa a memorização.
  • Notas para quantificar seu sucesso.
  • Conformismo acima de pensamento crítico.
Escolas são fábricas.
 
Como toda fábrica, criam um produto. 
 
Consistente, padronizado e que não faça muitas perguntas.
 
Formam empregados, não empreendedores.
Dados sobre a América:
 
  • #1 Prêmios Nobel.
  • #1 Citações científicas.
  • #1 Avanço tecnológico.
Quem tornou isso possível?
 
  • Bill gates.
  • Mark Zuckerberg.
  • Steve Jobs.
  • Michael Dell.
  • Larry Ellison.
Todos sem curso superior.
 
Muitos diretores que gerenciam empresas possuem diplomas. Os fundadores, não.
 
Menos de 1% dos donos de pequenos negócios no Brasil – e que empregam mais que a metade dos trabalhadores brasileiros – nunca foram, ou nunca terminaram, a faculdade. [3]
 
Curiosidade, ambição, perseverança, disposição para falhar e começar de novo – essas qualidades criam sucessos. Diploma é detalhe.
 
Quer dirigir um avião? Uma boa faculdade pode ensinar. 
 
Quer inventar o avião? Talvez você aprenda melhor uma dupla de bicicleteiros. Os irmãos Wright, pioneiros da aviação. [4]
 
Fazer amigos
Gastar o olho da cara em quatro anos para socializar?
 
Jovens de 18-22 anos socializam há mais de 70.000 anos. Eles dão um jeito. Um que não custe centenas de milhares de reais.
 
Algumas ideias:
 
  • Entre em grupos de debate online.
  • Entre em grupos no facebook, telegram, whatsapp.
  • Faça aulas de pintura, teatro e improvisação.
  • Aprenda a dançar.
  • Aprenda a falar em público.
  • Participe de um clube do livro.
  • Faça esportes.
  • Explore seus interesses.
Eles venceram o coronavírus. A faculdade é fichinha.
 
Networking e oportunidades de emprego
Networking no passado: Encontre outros.
 
  • Vá para conferências.
  • Frequente festas chiques.
  • Vá para uma universidade cara.
Networking do futuro: Deixe outros te encontrarem.
 
  • Escreva online.
  • Comece um negócio.
  • Crie vídeos no Youtube.
Desatualizado.

Faculdades ensinam.

O que você precisava saber nos anos 80.
 
  • Quem precisa decorar 600 músculos?
  • Quem precisa aprender a programar em HTML?
  • Quem precisa decorar a gramática?
  • Quem precisa de 3200 horas quando 200 são úteis?
Na escola me falaram que minhas notas serviriam para me preparar para o ensino médio. No ensino médio me falaram que minhas notas serviriam para passar na faculdade. Na faculdade me falaram que minhas notas serviriam para me preparar para o mundo profissional. Foi tudo mentira. Sentado na sala, me sentia como um animal enjaulado, treinando para servir as vontades de uma instituição ao invés das minhas próprias.
 
Na vida real não existem provas. Não existem professores. Nem notas.
 
O mundo só fala uma língua: a do valor.
 
Nada mais importa.

***

Esses são os pontos positivos e negativos da faculdade.

Mas e os pontos em branco? E o conhecimento que passa esquecido?

Vamos explorar.

O que a faculdade não ensina?

Escrita.
Escrita é a arte mais poderosa.
 
Escrita não é redação, trabalhos ou passar na droga do ENEM.
 
Escrita é um lança míssil na mão de pessoas que pensam.
 
Escrita transforma pessoas normais em lutadores de UFC dos argumentos.
 
Escrita serve para propor soluções para os problemas mais complexos do mundo. 
 
Como temos nos saído no ensino dela?
 
“Num sei naum. Mai pareci qui tem um pobrema.”
 
Escrita é a arte mais difícil do planeta.
 
Escrever é ansiedade líquida escorrendo por sua testa.
 
Escrever é desespero sólido diante de uma tela em branco.
 
Escrever é uma batalha diária.
 
Uma que te muda. E vale a pena perseguir.
 
Como escrever menos mal:
 
  • Leia estes 2 livros.
    • On Writing Well. Sim, só existe em inglês. Aprenda duas habilidades no tempo de uma: inglês + escrever.
    • Ideias que colam. O primeiro livro ensina a escrever. Esse ensina a como fazer outros quererem ler o que você escreveu.
  • Evite os principais erros de português.
    • Jogue no Google. Faça sua listinha.
    • Mas e mais, há e a, crase, vírgula, pontos e outras alegrias.
  • Escreva todo dia.
    • Escrita é um músculo. Treine ou perca seus resultados.
(mais dicas aqui.)
 
Fracasso.
Fracasso é uma ilusão. Você acerta ou aprende.
 
Falhar em encontrar um emprego, falhar ao abrir um negócio, falhar em um concurso. 
Tudo isso engrossa a pele e amplia a mente. O guerreiro não é medido por suas vitórias, mas pelo número de cicatrizes que carrega.

Faculdade tem tornado tudo fácil. Tem entregue mais tapinhas nas costas do que necessários chutes no traseiro. Resultado: profissionais despreparados para enfrentar o mercado.
 

O mercado é um rapaz egoísta, cruel e indeciso. 

  • Egoísta pois só se preocupa com suas vontades.
  • Cruel pois vai te ignorar se não entregar o que ele quer.
  • Indeciso pois nunca sabe o que quer. Você tem que perguntar, criar e entregar.

O erro, está entre você e o sucesso, e não no lado oposto a ele.

Leitura recomendada: Mindset – Carol Dweck.
 
Vendas.
Vendas é terror.
 
Embrulha o estômago.
 
Dá medo.
 
O que eles vão pensar de mim? E se eles falarem não? Eu tomei banho ontem?
 
Vendas é como dar um mortal de costas. Você só tem que pular com força e virar no ar.
 
Fácil falar. Difícil fazer.
 

Quer aprender vendas na faculdade? não vá em festas. Dê as festas.

  • Venda ingressos.
  • Faça o marketing.
  • Realize as vendas.
  • Entregue o produto.
  • Satisfaça clientes.
  • Repita.
Leitura recomendada: Spin Selling – Neil Rackham.
 
Relacionamentos (networking).
Na faculdade sempre foi sobre você.
 
  • Minhas provas.
  • Minhas aulas.
  • Meu diploma.
No mundo isso inverte. Não é mais sobre você. É sobre o que você pode fazer por nós.
 
  • Criar valor antes de reclamar.
  • Entregar antes de pedir.
  • Servir antes de ordenar.
Relacionamentos que abrem oportunidades não aparecem como boletos que você esqueceu de pagar. Você tem que buscá-los.
 
Como?
 
Não com um “como você pode me ajudar?”, mas com um “aqui como eu posso ajudar”.
 
 
Negociação.
Você começa bem.
 
  • Plano pronto.
Faz o difícil.
 
  • Conquista o cliente.
Realiza o improvável.
 
  • Faz a venda.
E… 
 
  • Qual o preço?
Qual parte do seu corpo será amputada em troca da vida eterna?
 
Algum sacrifício será feito diante de um bom negociador.
 
Prepare-se para ficar de cueca, tatuar “bobão” no mamilo esquerdo e ser pendurado na sua sala como troféu.
 
Para não cair nas armadilhas de um bom negociador você tem que saber o poder de uma pequena palavra de três letras.
 
Não.
 
Tão difícil quando, nos últimos cinco anos, você só teve que dizer sim para tudo…
 

Leitura recomendada: Negocie Como Se Sua Vida Dependesse Disso – Chriss voss.

Felicidade.
Felicidade é a frequência das suas alegrias diárias.
 
É uma combinação das comidas que comemos, de cuidar da nossa saúde e aparência, de criar coisas que queremos ver no mundo, de ter relacionamentos com pessoas que nos fazem bem, de encontrar algo maior que nossos próprios egos e entregar nossa vida a essa causa.
 
Eu não sei se alguém de jaleco pode ensinar isso, mas sei que se você não buscar com suas próprias mãos, o arrependimento é certeiro.

 

Leitura recomendada: Stumbling on Happines – Daniel Gilbert

 
Falar em público. 
Quem tem medo de falar em público?
 

Ninguém têm medo de falar em público. Temos medo de passar vergonha em público.

Medo de dar uma palestra com tantas pausas que achem que o assunto é a gagueira. 
 
Medo de nossas pernas tremerem tanto que nosso coração entre em colapso entre slides. 
 
Medo que os últimos meses de estudos sejam apagados diante de múltiplos globos oculares.
 
15 anos de escola e nunca aprendemos a superar esse medo. 
 
Palestra recomendada: How To Speak by Patrick Winston.
 
Direitos individuais.
Quais são os seus direitos?
 
Como você sabe se algo é justo?
 
Como você sabe se não estão te passando uma rasteira?
 
Você sempre pode contratar um advogado de 1000 reais por hora para resolver os seus problemas. Ou, pode se tornar autossuficiente no que impacta a sua vida.
 
  • Direito do consumidor.
  • Impostos e tributos.
  • Contratos e multas.
Como comer (nutrição básica).
Os níveis de obesidade estão como a conta bancária do Silvio Santos. A cada ano, maiores.
 
Ninguém sabe o que comer, como comer, quanto comer e por que comer.
 
Passamos a vida toda comendo. Mas nunca aprendemos nada sobre isso nas escolas.
 
Você não precisa ser um nutricionista. Só saber o suficiente para ter resultados.
 
 
Lidar com grana (finanças pessoais).
Aprender como administrar o seu dinheiro? Quando a faculdade ocupa 50% dele? 
 
Melhor não.
 
Ninguém ensina isso:
 
  • Juros compostos.
  • Tributos.
  • Como negociar dívidas.
  • Gestão de patrimônio.
  • Investimentos.
Gastar bem. Ganhar mais. Investir melhor.
 
Essa é a escada do dinheiro. Não existe elevador.
 
Nada que vale a pena é fácil.
 
 
Lidar com emoções (inteligência emocional).
Você chega em casa depois de um dia estressante.
 
No dia anterior, preparou um jantar delicioso.
 
Entra em casa, bate a porta, anda até a cozinha, abre a porta – pega o Juninho comendo sua comida.
 
“Fala cara! Pow, isso tá uma delícia.”
 
 
Como não fazer ele mastigar o prato ao invés da comida?
 
Inteligência emocional.
 
Outra que passou esquecida na escola.
 
  • Reagir a situações difíceis.
  • Aprender a perder para ganhar no futuro.
  • Saber se colocar no lugar dos outros.
  • Liderança.
  • Trabalhar em grupo sem deixar ninguém para trás.
  • Lidar com ansiedade, frustrações e medo.
Nesse dia, o Juninho tinha passado o dia todo sem comer. Ele explicou. Fez questão de pagar meu jantar. Em 15 minutos, estávamos rindo juntos de barriga cheia. 
 
Valeu a pena não ter colocado um fim na sua existência.
 
 
Criar negócios (Empreendedorismo).
Todo empreendedor usa o mesmo traje.
 
Óculos.
 
Enxergam melhor.
 
  • Ineficiências.
  • Problemas.
  • Chatices.
Todo problema é uma oportunidade.
 
Tênis.
 
Caminham até a solução.
 
Evitam buracos, procuram melhores caminhos e pulam fora da corrida dos ratos.
 
Guarda chuva.
 
Para se proteger da chuva de críticas, dúvidas e anseios pelo seu fracasso.
 
Relógio.
 
Não perdem tempo.
 
Cada minuto, hora e dia é dedicado ao progresso.
 
Joelheira.
 
Sabem que podem falhar.
 
Vão cair muito, ralar o joelho e ganhar cicatrizes.
 
Mas sabem que existem dois tipos de falha:
 
  • A falha de tentar, falhar e aprender.
  • A falha de nunca ter tentado.
 E a segunda dói muito mais que a primeira.
 
Martelo.
 
Para dar uma na cabeça de clientes chatos.
 
Brincadeira.
 
Para construir o seu palácio de aço. Seu negócio. 
 

Fundado em 5 pilares:

  • Valor.
  • Marketing.
  • Vendas.
  • Serviço aos clientes.
  • Finanças.
Essas são as roupas do cavaleiro moderno – o empreendedor.
 
Nenhum desses trajes são vendidos na escola. 
 
Todos são grátis. 
 
É só você querer.
 
Leitura recomendada: O manual do CEO – Josh Kaufman.
 
Esportes.
Trabalhar o corpo desenvolve a mente.
 
Os gregos nos deram a democracia, a filosofia e a argumentação. 
 
Sabe o que mais? Um físico brilhante.

Um corpo trabalhado não é apenas estética. É o espelho da alma.

  • Foco.
  • Disciplina.
  • Atenção para detalhes.
  • Diligência.
  • Força de vontade.
  • Resiliência.
  • Aprender e ultrapassar obstáculos.
  • Determinação.
O esporte forja habilidades que escorrem para a vida.
 
A maneira que você faz algo, é a maneira que você faz tudo.
 

Leitura recomendada: Livro inteligência muscular.

 

Criatividade.
Quanto é 5+5?
 
Tempo para pensar…
 
“10! Isso mesmo!”
 
Esse é o problema das escolas.
 
Vamos reformular a pergunta.
 
Quantos números diferentes podemos adicionar para chegar a 10?
 

Agora você tem que pensar. Existem dezenas de opções. 

Isso é criatividade.

 

Focamos em ensinar as respostas certas, mas esquecemos que são as perguntas que movem o mundo.

  • E se a terra não for plana?
  • E se, ao invés do sol girar em volta da terra, for o contrário?
  • E se existir algo do outro lado do mar?

Escolas não mudam o mundo. Elas ensinam sobre as pessoas que mudaram o mundo.

Livro recomendado: Roube como um artista – Austin Kleon.

 

Menções honrosas
  • Política e debates. Como defender ideias e não se tornar escravo delas.
  • Fluência em outras línguas. Como entender pelo menos 3 idiomas diferentes e expandir o seu conteúdo cultural.
  • Língua portuguesa. Como interpretar o mundo e expor suas ideias com força e clareza.
  • Responsabilidade. Como cuidar de si mesmo antes de tentar mudar o mundo.
  • Internet e pesquisa. Como administrar o mar de informações da internet sem se sobrecarregar, como pensar de forma crítica, consultar diferentes fontes e criar uma opinião sólida.

***

Esses são os buracos da nossa educação.

Agora vamos falar sobre os buracos nos currículos.

O currículo do século XXI

Talvez isso não fosse importante no passado. 

Prepare-se para se tornar indispensável no futuro.

Exercícios e nutrição
Como você tem cuidado do seu corpo nos últimos 6 meses?
 
  • Participei de uma maratona.
  • Faço musculação.
  • Me alimento de forma saudável.
Isso mostra disciplina, foco no longo prazo e a busca de melhorar todos dias 1%.
 
Viagens.
Quais lugares você já visitou ou gostaria de ir no futuro?
 
  • Paris. Museus e monumentos fascinantes.
  • Grécia. O berço da filosofia.
  • Bahia. Comida, dança e as praias mais bonitas.
Isso mostra que você entende diferentes culturas, sabe se adaptar a elas e trabalhar em equipe.
 
Criação de conteúdo.

O que você criou de valor nos últimos meses?

  • Um vídeo.
  • Um infográfico.
  • Um artigo.
Isso mostra a sua vontade de ser além da média, se é capaz de explicar assuntos complexos em termos simples e se está aqui para o longo prazo.
 
Livros.

Quais livros leu nos últimos meses?

  • Antifrágil.
  • Hábitos atômicos.
  • 12 regras para a vida.
Isso mostra sua capacidade de aprender sozinho, organizar ideias e executá-las.

***

Depois de tudo isso, podem perguntar onde você se formou e o que você aprendeu na faculdade.
 
Diploma será detalhe. Conhecimento será crucial. Ação será obrigatória.

Traços da inovação - você é assim?

Questionam o saber comum.
Não terceirizam sua educação.
 
Não compram faculdades. Diplomas. Notas.
 
Sabem que com disciplina, persistência e a internet – podem aprender tudo.
 
Não andam com a maioria.
“Saem da boiada”, como diria o Flávio Augusto.
 
Não se engane. Eles parecem confiantes enquanto fazem isso. Mas sentem medo. Não andar com a maioria é assustador. A diferença é a administração desse medo.
 
Tentar, fracassar e aprender é muito melhor do que não fazer nada.
 
Não são seguidores passivos
“Por quê?” – a pergunta que mais fazem.
 
Me ajuda a cavar um buraco?
 
“Por quê!?”
 
Vou pagar bem, vai trabalhar só 40 horas semanais e terá o final de semana inteiro para você.
 
“Não vai funcionar. Tchau.”
 
Espera! Esqueci de dizer.
 
Esse buraco vai canalizar água potável para inúmeras pessoas. E eu acredito que todos devem ter acesso a água. Me ajuda?
 
“Cadê minha pá?”
 
Entregue a eles uma causa digna de se lutar e serão os tripulantes mais fiéis. Seja nas festas do Titanic ou nos choros pós-iceberg.
 
Não tentam impressionar outras pessoas.
Criam a vida que desejam viver, ao invés de deixar o mundo fazer isso.
 
Sabem que empresas, professores e chefes não são mais os guardiões do sucesso.
 
Não dependem de referências, contatos ou currículos.
 
Estão dispostos a se tornar tão bons que não possam ser ignorados.
 
Se preocupam com áreas importantes.
A maioria se preocupa com provas. Eles se preocupam com sonhos.
 
O professor dá sua aula sobre células, ciclos e cálculos.
 
Eles olham para a janela.
 
Sabe o rapaz anotando vorazmente no caderno durante a aula?
 
Certamente não é sobre a matéria. São ideias, planos e estratégias.
 
Quando chegar em casa, vai fazer suas lições e passar o resto do tempo trabalhando para materializar seus sonhos.
 
Possuem sua própria definição de sucesso.

  • Experiências
  • Aprender novas habilidades
  • Relacionamentos
  • Resolver problemas
  • Ganhar dinheiro
  • Criar valor. 
O que incendiar seu coração.
 
Vai além de provas, salários e elogios. Nenhuma recompensa externa se compara a buscar seu máximo potencial.
 
Não possuem medo de pedir ajuda.
A paixão pelo assunto é maior do que o medo de receber um não.
 
São independentes, mas não autossuficientes.
 
Ninguém é bom em tudo.
 
Sempre estão atrás de pessoas que possam compensar suas fraquezas e amplificar suas forças.
 
Aprendem sozinhos.
São eternos alunos.
 
Vão aprender até o último dia na terra. Se acostumam com isso. Se apaixonam por isso.
 
Não precisam de alguém ditando o que, quanto e quando aprender.
 
Possuem dentro de si a melhor bússola: sua curiosidade.
 
Entusiasmo é o sinal para continuar. Tédio é o sinal para parar e começar algo novo.
 
O objetivo não é ganhar o jogo. É continuar jogando.
 
Sabem que o perfeccionismo é uma desculpa.
Feito é melhor que…
 
Precisamos de toneladas de ferro para criar alguns quilos de aço. 
 

1000 ideias ruins para 1 boa.

  • Beethoven. 722 composições.
  • Picasso. 50.000 obras.
  • Shakespeare. 38 peças e 150 poemas.
Quantidade é a mãe da qualidade.
 
Não desperdiçam energia.
Usam a mínima dose eficiente.
 

A menor quantidade de energia que produz o resultado esperado.

  • A água ferve a 100 ºC. Maiores temperaturas não aceleram o processo.
  • 15 minutos de sol é saudável. 2 horas é churrasco.
  • Sal deixa comidas gostosas. Em excesso, destrói as refeições.
O mesmo para a escola. Sair de um 7 e buscar um 10, não se paga em aprendizado extra. 

Guarde energia e invista nos seus projetos.

***

Esses são os traços de inovadores.
 
Nem todos nascem com eles. Porém, todos podem ser desenvolvidos.
 
O segredo é querer.

Possíveis soluções

Você se importa com um problema, quando entrega uma solução para ele.
 
Não tenho uma resposta definitiva para a educação. Mas tenho pistas. 
 
Espero que ajudem a clarear o caminho.
A solução de Lutero

As 95 teses de Lutero podem ser resumidas em dois princípios:

  • Sola fide “Somente pela fé” –  Fé, não indulgências, são a base para a salvação.
  • Sola Scriptura  “Somente pela Escritura” – Só a Bíblia diz a verdade.

Baseado nisso, tenho dois princípios para a educação.

Disce solus - Aprenda sozinho

“Educação formal faz você ganhar a vida. Aprender sozinho faz você ganhar uma fortuna. ” – Jim Rohn

Por que ser autodidata?
É o único caminho para aprender de verdade.
Aulas não ensinam, elas ajudam a entender. 
 
Aprendizado verdadeiro acontece depois, sozinho. 
 
Ninguém derrama ideias no seu cérebro. Só você pode bebê-las.
 
Maestria.
Autodidatismo é a autoescola dos mestres.
 
Só que não existe instrutor, existem milhões de estradas e o carro é uma Fórmula 1.
Você aprende a pilotar seu cérebro na medida que avança.
 
O destino é menos importante do que continuar dirigindo.
 
Liderança.
Aprender muito gera culpa.
 
Você aprendeu tanto com outros que sente a responsabilidade de compartilhar.
 
Assim, nascem os melhores líderes.
 
Não da busca por poder, mas da busca do poder retribuir.
 
Amar o conhecimento.
Autodidatas são alunos eternos. 
 
Alunos eternos amam aprender. 
 
A única forma de amar aprender é seguir suas curiosidades e fugir do tédio.
 
A alternativa são provas, notas e grades curriculares. 
 
E essas raramente funcionam.
 
Pensamento crítico.
Boas respostas não ensinam a pensar. Boas perguntas sim.
 
Escolas forçam a memorização. Autodidatismo convida à exploração.
 
  • Montar suas próprias perguntas.
  • Fazer pesquisa.
  • Consultar fontes.
  • Investigar o contrário.
  • Questionar ideias.
  • Fazer resumos.
  • Entregar suas respostas.
 “O que a maioria das pessoas acredita ser verdade e você acredita ser mentira?” 
 
Nunca foi tão fácil aprender sozinho.
O conhecimento era limitado pela nobreza. Depois pela igreja. Depois pelo governo. 
 
Hoje, por sua conexão com a internet.
 
Estamos a um toque da sabedoria humana. De qualquer época, país e cultura.
 
A memorização se torna inútil na mesma proporção que a habilidade de aprender sozinho se torna indispensável.
 
Não ser autodidata é negar a oportunidade que muitos dariam a vida no passado para ter.
 
Seu emprego pode não existir em 5 anos.
Empregos serão automatizados. 
 
Se um computador ou um chinês faz o seu trabalho – tenho más notícias. 
 
A solução é se tornar a única pessoa no planeta que pode fazer o que você faz. 
 
Criar um monopólio pessoal. Esse é o meu.
A maior riqueza no futuro serão as suas ideias. Criatividade é o ouro do século XXI.
 
O que você faz que ninguém mais no planeta faz?
 
Não é coisa de gênio, é prática.
O que Leonardo da Vinci, Newton e Thomas Edison têm em comum?
 
Todos eram cientistas? Todos mudaram o futuro? Todos inventaram coisas fantásticas?
 
Sim, sim e sim. 

E o mais importante: todos eram autodidatas. 
 
Ser autodidata não é uma benção divina, é uma escolha.
 
Gênios mostram a importância da prática, não a exclusividade dela.
 
É como dançar, pintar e escrever. Alguns possuem facilidade, outros possuem vontade.
 
Trabalho dá uma surra em talentos.

***

 Mas como? Como me tornar um autodidata? Nem o meu tênis eu aprendi a amarrar sozinho.
 
Que bom que perguntou. Com nosso segundo princípio.

Inveniet ideas - Encontre ideias

“Se quer ter boas ideias, você tem que ter muitas ideias.” – Linus Pauling

Como ser autodidata?
Aprenda a usar a internet

Escolha sua arma:

  • Voz. Vídeos, palestras e podcasts.
  • Texto. Livros e artigos.

Conteúdos de voz servem para explorar.

  • Ideias diversas.
  • Fatos interessantes.
  • Novos conceitos.

Ganhe entendimento sobre o assunto. Depois, passe para conteúdos de texto para aprofundar.

  • Ideias profundas.
  • Entenda a lógica e o contexto por trás dos fatos.
  • Domine os conceitos.

Faça notas detalhadas sobre tudo que aprendeu. Por último, decida o que fazer com o conhecimento.

  • Criar algo.
  • Explorar mais.
  • Próximo assunto.
Exemplo do seu caro autor. 
 
Eu me interesso por músculos. Começo explorando ideias em vídeos e podcasts de pessoas que respeito: Eric Helms, Menno Henselmans, Mike Israetel. Depois, se a ideia me chama atenção, leio livros e artigos. Crio notas detalhadas. E, por fim, escrevo artigos, guias e livros para vestir o conhecimento.
 
Esse é o processo de exploração de novas ideias no século XXI. Ele é eterno, difícil e gratificante. Aprendido torna o ensino formal opcional.
 
Aprenda a LER em Inglês 
Estudar em português é usar 20% da capacidade da internet.
 
Inglês é a língua do mundo. Nela estão as melhores fontes.
 
  • Inovações
  • Especialistas
  • Livros
  • Blogs
  • Podcasts
  • Youtube
Muito no Brasil é mastigado de fontes americanas.
 
Não receba suas ideias de canudinho, vá direto na fonte.
 
Você não precisa falar inglês. Você precisa saber ler inglês. 
 
Isso é 10x mais fácil e pede 20% do esforço.
Como toda habilidade, o começo é difícil e fica mais fácil com o tempo.
 
Aqui as minhas estratégias para aprender a ler em inglês.
 
  • Mude tudo na sua vida para o inglês. Imersão acelera o aprendizado. Finja que você é americano. Use tudo em inglês: celular, computador, livros. Diga “thank you” no supermercado e “goodbye” na farmácia.
  • Jogue jogos em inglês. RPG’s funcionam bem. Qualquer um que tenha uma história tão boa que a dor da curiosidade seja maior do que a dor de aprender o inglês.
  • Veja séries com legenda. O lado positivo é que você vai ver algo que gosta. O lado negativo é que talvez você termine não gostando mais. Funciona assim: pegue um episódio de uma série e assista duas vezes. Uma com legenda em português. Outra com legenda em inglês. Veja 10 temporadas. Logo, só o episódio em inglês será suficiente.
  • Beba sua paixão em inglês. Aprenda tudo que puder sobre algo que ama em inglês. Leia, veja vídeos, ouça podcasts. O começo será um saco. Você usará o google tradutor a cada 5 segundos. Persista. Com o tempo, o tradutor é esquecido e o inglês fica natural.
Quando vale a pena falar inglês?
 
  • Você tem uma entrevista de emprego em inglês.
  • Você vai fazer um intercâmbio.
  • Você vai morar em outro país.

Quando não vale a pena falar inglês?

  • Quando você quer criar algo no Brasil usando fontes do mundo.
  • Quando você é ocupado e quer 80% dos resultados com 20% do esforço.
Com a confiança de saber ler em inglês, você pode decidir o próximo passo:
 
  • Falar bem o português.
  • Escrever bem o português.
  • Falar inglês.
Comece com o que usa mais.
 
Aluno passivo -> Estudante ativo
Esqueça a passividade que você aprendeu nas escolas. Se torne um estudante ativo.
 
Escolas ensinam que aprender é feito com bundas na cadeira e escutando o professor.
 
  • Vá para aula.
  • Escute o professor por 90 minutos.
  • Repita tudo que ele disse nas provas. 
Isso não faz sentido. 

Aprender é um processo caótico. Sabedoria é ganha por meio da ação. 

Consumir informação é só o primeiro passo. Você tem que criar também.
 
  • Se você lê, compartilhe ideias na internet.
  • Se você programa, crie um software.
  • Se você é designer, monte sites para pequenos negócios.
Na escola não deixavam usar colas, internet e calculadoras.
 
Na vida real, você não precisa memorizar nada, pode consultar o mundo com alguns clicks e usar calculadoras da NASA.
 
Na escola te forçam a ver aulas, seguir a grade do curso e escrever para agradar o professor.
 
Na vida real, você aprende fazendo, coleciona erros e lições, segue suas curiosidades e escreve para agradar você, depois o mundo.
 
Leia
Leia.
 
Muito!
 
No começo, leia tudo. Do Harry Potter ao Crepúsculo.
 
O objetivo é descobrir o prazer da leitura. 
 
Tá chato? troca. 
 
O seu livro vai aparecer.
 
O que tira seu sono para descobrir quem é o assassino. O que faz você chegar atrasado no serviço para encontrar a solução de um problema. O que transforma a sua vida com uma ideia simples, mas poderosa.
 
Livros possuem o melhor retorno de conhecimento por tempo investido. São amplos para abordar tudo sobre um assunto e organizados com amor para facilitar sua aprendizagem
(veja o meu
livro).
 
Os maiores palácios intelectuais foram construídos por tijolos literários.
 
Faça EAD para diplomas e estude sozinho
EAD é o ponto de equilíbrio entre um rebelde sem diploma e um escravo acadêmico.
 
Ele garante um diploma para você atuar na sua profissão e salva tempo, energia e dinheiro para investir além da faculdade em educação real.
 
Para aqueles que querem pilotar sua própria educação e precisam de um canudo universitário, acredito que é a melhor via.
 
Aqui o porquê:
 
  • Conhecimento na mão. O ensino a distância permite estudar onde e quando quiser. Chega de interromper seus estudos com a escola.
  • Dinheiro no bolso. Mensalidades baratas, menor gasto com transporte e alimentação. Mais tempo, energia e dinheiro para investir em você.
  • Alívio mental. Menos estresse, mais tempo com a família e conforto.
  • Liberdade para viajar. Nada de muros acadêmicos. Faça uma aula na praça, uma na igreja e uma na biblioteca. Comece o curso em São Paulo, passe pelo Sul e termine no Rio de Janeiro.
  • Ganhe um diploma igual. Faça faculdade EAD pelo motivo certo: ter um diploma.
    Ele tem o mesmo valor de uma faculdade presencial. Porém, permite ir além, se você estiver comprometido com seu desenvolvimento intelectual.
  • Invista o dinheiro salvo em educação real. Faça cursos. Assine sites com bons conteúdos. Compre livros. Faça experimentos. Monte negócios. Nunca pare.
Não são só alegrias. Conheça o lado sombrio do EAD:
 
  • Sem disciplina não funciona. Horários de estudos, realizar seus trabalhos, administrar suas tarefas e organizar a sua própria educação fora da faculdade. Disciplina é o combustível. Sem ela, seu carro da educação não anda.
  • Preconceito. Alguns acham o EAD uma piada. “Estudar pela internet? O diploma vem em um pen drive?”. O que esquecem é que todas as faculdades são uma piada. O aluno faz o seu conhecimento, não a instituição. 
  • Solidão. Faculdade é social. EAD é solidão. Você aprende a ficar confortável com isso. É um investimento de longo prazo nos seus sonhos. Os maiores autores e músicos se isolaram para criar obras e sinfonias. Agora é a sua vez.
Procure um mentor – trabalhe de graça
Encontre alguém que você admira e ofereça seus serviços grátis para ele.
 

Antes de tentar me acertar com um tijolo, considere as vantagens.

  • Aprenda rápido com alguém que entende.
  • Evite os erros que o seu mestre cometeu.
  • Ganhe um possível emprego no futuro.
  • Conheça pessoas incríveis que podem abrir portas para você.
É um ganha-ganha. Você aprende tudo. Seu mentor ganha trabalho grátis de qualidade. Não é sexy, mas uma ótima maneira de abrir portas sem precisar de uma chave chamada diploma ou um chaveiro chamado faculdade.

(Não é obrigatório. Meus mentores foram os livros. Lendo, aprendi tudo que eu sei.)
Aprenda habilidades
Invista em habilidades turbo. As que aceleram profissões.
 
  • Escrita. Escrever é a arte de pensar bem – no papel. Quem ganha o jogo não é quem possui as melhores ideias, mas quem as comunica da melhor forma. Escrita potencializa seu sucesso em qualquer área. Um bom comunicador move multidões. E todo bom comunicador começou com um lápis e papel na mão.
  • Programação. Programar ensina a construir coisas importantes usando a ferramenta mais poderosa que existe – computadores.
  • Marketing. Criar não é suficiente. Você tem que contar ao mundo. Redes sociais, campanhas pagas, Facebook ads, Google Ads, Copywriting. Quanto mais você souber de marketing, maior é a sua rede para pescar peixes na internet.
  • Vendas. Vender é transformar peixes do marketing em filés. É a sua capacidade de entender o cliente, contornar objeções, negociar preços, oferecer soluções e fechar negócios. Você vai vender para o seu amigo, sua mãe, sua namorada e seu filho. Quanto mais efetivo você for, mais dinheiro e menos problemas você terá.
    • Ideias: Arranje um emprego de vendas temporário. Convença alguém a fazer algo. Promova uma festa. Estude persuasão. Venda algo online. Crie um vídeo de vendas para um produto que acredita. Escreva um email de vendas. Faça ligações de vendas. Leia esse resumo.
  • Falar em público. Domine isso e você será um Alien lutando contra ursinhos. Não é fácil. Gaguejadas, canelas vibrando e possíveis calças molhadas serão companheiras. Só que os retornos na sua vida serão exponenciais.
    • Exemplos: Veja essa palestra. Copie os melhores: Jordan Peterson, Simon Sinek, Tony Robbins. Quebre os seus discursos. Copie a cadência das suas palavras. Se grave enquanto ensaia. Aprenda a escrever – escrever é a escola dos bons oradores.
Não sabe por qual começar? Eu recomendo a escrita.
 

Ela torna todas as outras habilidades mais eficientes.

  • Falar melhor.
  • Vender melhor.
  • Divulgar melhor.
  • Programar melhor.
  • Pensar melhor.
Depois, passe para a habilidade que terá o maior impacto na sua vida nos próximos anos. 

Aqui o seu mapa:
 
  1. Mergulhe por 3-6 meses.
  2. Explore conteúdos de voz – vídeos e podcasts.
  3. Aprofunde em conteúdos de texto – livros e artigos.
  4. Faça resumos. Escreva o que aprendeu com suas palavras.
  5. Crie algo enquanto aprende, colete feedback e erre muito.
  6. Repita.
Essa é a maneira mais produtiva de investir seu tempo fora da faculdade. 
 
Cuidado: esse processo pode torná-la desnecessária.
 
(Quer aprender mais sobre como aprender habilidades? leia esse artigo.)
 
Explore o mundo externo e interno
Pegue 20%  do dinheiro gasto na universidade e faça uma viagem. Duas. Três.
 
Conheça culturas, pessoas, histórias, lugares e o mais importante: você.
 
  • Quais são meus valores?
  • Quais são minhas habilidades únicas?
  • O que é fácil para mim e difícil para outros?
  • O que não vejo a hora passar enquanto faço?
  • Como eu quero que minha vida esteja daqui a 5 anos? Carreira, amigos, hobbies, relacionamentos, etc.
Mova para conhecer novos lugares. Pare para conhecer você mesmo.
 

Um ano não faz diferença no seu sucesso. Na verdade, ensina a apreciar pequenas coisas.

  • Como é difícil ganhar dinheiro.
  • O privilégio de ir para a faculdade.
  • Compaixão e compreensão.
Um passo atrás. Dois a frente.
 
Nunca pare de fazer a pergunta: para que serve a escola?

Use-a como lente para tomar decisões. 

  • Isso vai ajudar a aprender mais?
  • Isso vai ajudar a entregar melhores resultados?
  • Isso vai impactar minha carreira?
Respostas não importam. Perguntas movem o mundo.
 
Tarefas pelo dia, palestras à noite. 
 
Tarefas da faculdade pelo dia.
 
Palestras das pessoas mais inteligentes do mundo à noite.
 
Explore o conteúdo digital. Use a sala de aula para fazer perguntas e aprofundar em ideias com colegas.
 
Livre acesso a livros o tempo todo. 
 
Memorização é inútil. 
 
Não lute contra celulares e computadores, use-os. 
 
Tudo que vale a pena ser decorado, pode ser encontrado. 
 
Educação focada ao invés de aprender de tudo um pouco. 
 
O 20% que traz 80% dos resultados. 
 
O professor dá as direções. O aluno escolhe o caminho.
 
Faça algo interessante. 
 
Esqueça o currículo, siga seus interesses. 
 
Aprenda habilidades turbo.
 
Crie algo. Erre muito. Volte amanhã.
 
Consumir não é suficiente. Conecte os pontos.
 
 Saia do livro acadêmico. Teste na vida real.
 
Nada de notas, provas e grades.
 
Notas são ilusões.
 
O número de questões que você acertou não indica o quanto você aprendeu.
 
Trabalho, projetos e criações. Isso importa.

Receba novos guias como esse no seu email e ganhe o meu livro sobre os 7 princípios do sucesso físico.

Respostas para perguntas gigantes sobre educação

  • Tédio. Um que não te deixe entediado. Tédio é a morte do amor por aprender. Ele é uma bússola contra baboseiras. Siga sua inspiração.
  • Oportunidade. O seu curso resolve um problema que a maioria das pessoas enfrentam? Existe um mercado para a sua profissão? Você vai conseguir ter uma vida confortável?
  • Problemas. Não pergunte quais são seus sonhos, pergunte quais são os problemas que você está disposto a enfrentar para alcançar seus sonhos. Vemos a fama e a paixão do guitarrista no palco, mas esquecemos milhares de horas de prática na última década. Vemos o empreendedor de sucesso, mas esquecemos os 10 anos sombrios de dificuldades, problemas e críticas. Vemos o fisiculturista no palco, mas esquecemos décadas de treino, dieta e sono. Quais problemas você está disposto a enfrentar para alcançar o sucesso?
  • Curiosidade. Você tem sede por saber mais sobre a sua área? Passa horas lendo? Horas consumindo conteúdo? Horas vendo vídeos sobre o assunto? Um bom trabalho não parece trabalho.
  • Paixão. Falar sobre o assunto incinera seu coração? Você enxerga ineficiências na sua área que ninguém mais vê? Qual é a primeira coisa que você faz após chegar de um dia cansativo em casa?
Avalie seu curso dentro de cada tópico e faça sua escolha.
Existe.
 

As matérias que valem a pena estudar na faculdade são as matérias que só a faculdade ensina.

  • Medicina
  • Engenharia
  • Direito
O resto você pode aprender sozinho.
Ninguém aprende essas profissões na faculdade.
 
  • O advogado aprende no tribunal.
  • O médico na residência.
  • O engenheiro nos projetos.
Conselho 1: não terceirize sua educação. Estude pouco, mas todo dia.

Conselho 2: antes de decidir sua profissão, faça isso.

  • Converse com 3 pessoas da área (1-4 semanas). Um que ama o que faz, um que é neutro e um que foi frustrado no que fez. Pegue as perspectivas de cada, tire a média entre acertos e erros e use os insights para tomar sua decisão.
  • Leia (2 meses). Sem ler pelo menos 2 livros sobre a sua profissão, você não está preparado para escolher seu curso. Pesquise os livros mais recomendados da sua área e comece por eles (recomendações).
  • Trabalhe de voluntário (1-4 semanas). Como ser advogado sem sentir a tensão de um escritório e um tribunal? Como ser médico sem sentir a esperança misturada com o desespero de um corredor de hospital? Como ser engenheiro sem sentir a pressão de ter que entregar um projeto? Sinta a profissão na pele antes de tomar sua decisão.
Faça pelo menos 2.
Vamos parar de ir. Vamos parar de acreditar. Vamos parar de pagar.
 
Quando as pessoas descobrirem que a internet pode entregar os mesmos resultados que uma universidade (ou melhores) por muito menos dinheiro, pânico vai se espalhar. 
 
Pela primeira vez, em 500 anos, as universidades terão que fazer algo novo.

Como acelerar essa mudança?

Duas propostas:

  • Vamos incentivar empresas a contratar pessoas de acordo com suas habilidades, não seus diplomas.
  • Vamos criar sucessos que saíram do ensino online e provar que eles possuem o mesmo valor que faculdades presenciais.
Boas soluções sempre começam de baixo para cima. 
 
Nós somos o começo.
Uns entram com 18, outros com 24, outros com 36, outros com 45 – outros nunca entram.
 
Não existe resposta certa. Existe cheiro de resposta certa.
 
Aqui os ingredientes:

  • Maturidade.
  • Certeza que esse é o melhor caminho.
  • Um plano específico para daqui a 4 anos.
  • Pelos motivos certos. Educação > diversão, pressão social e diploma.
Se sentir esse cheiro, talvez faculdade seja para você.

Aprenda uma habilidade por 6 meses.

  • Escrita.
  • Marketing.
  • Vendas.
  • Programação.
  • Falar em público.
  • Design.

Arrume um emprego temporário.

  • Hospitais.
  • Eventos.
  • Pequenos negócios.
  • Hotéis.
  • Clubes.

Converse com pessoas da área que você se interessa.

  • Médicos.
  • Educadores físicos.
  • Advogados.
  • Engenheiros.
  • Empreendedores.

Explore tudo que conseguir.

  • Blogs.
  • Artigos.
  • Livros.
  • Podcasts.
  • Youtube.
Faça um intercâmbio ou viaje.
 
  • Explore o mundo externo para encontrar o seu interno.
Espere 6-12 meses e tente tomar sua decisão novamente.
Cada experiência é única.
 
Faculdades podem ser um tempo incrível para fazer amigos, se divertir e conhecer novos assuntos. Ela só não é obrigatória.
 
Cuidado com suas fontes.
 
Pessoas com diplomas, mestrados ou doutorados precisam de afirmação que suas escolhas de vida valeram a pena
 
E a crise existencial de gastar 10 anos e ganhar menos que alguém que não tem fundamental? E sair de um doutorado sem encontrar emprego?
 
 Isso doí. 
Ninguém liga para as suas notas.
 
 
Notas não são feitas para medir criatividade, liderança e inovação.
 
Notas 10 mostram a sua capacidade de decorar algo e vomitar na prova.
 
Isso não é inteligência, é bulimia.
Pergunte:

  • O que todo mundo reclama?
  • O que é uma droga e você poderia deixar um pouco melhor?
  • Onde existem fraudes, ineficiências e mentiras que ninguém mais vê?
  • O que te incomoda profundamente e ninguém faz nada a respeito?
Quando encontrar uma resposta boa o suficiente. 

  • Teste
  • Organize.
  • Persiga.
Se der errado, passe ao próximo. Se der certo, você descobriu seu futuro.
Vamos lá.
 
Eu tinha 20 anos e estava completamente frustrado com meu trabalho, meu corpo e a minha faculdade.
 
Trabalhava em uma papelaria (dispensa explicações). 
 
Parei de ter resultados na academia (faltava estudar mais sobre treino e nutrição).
 
Minha faculdade era de administração (combina comigo tanto quanto comer azeitonas com leite condensado).
 
Longa história curta.
 
Chutei o balde. Estudei 6 meses. Passei na Unicamp em educação física. Achei que aprenderia a ser um profissional e me ensinaram a dançar. Sai para um curso online. Arranjei um emprego que me permite seguir meus sonhos. Criei o site Inteligência Muscular. Comecei a ajudar pessoas inteligentes a ter resultados sem drogas.
E, como a maioria de vocês, estou tentando dar certo.
 
Não tenho todas as respostas. Só escrevo em busca de claridade e espero que as ideias sejam úteis para alguém.
Sim e sim.
 
Motivos que me levaram a ir para a UNICAMP:
 
  • Faculdades é o melhor caminho para obter conhecimento.
  • Vou aprender a ser um grande profissional na faculdade.
  • Contato com as mentes mais brilhantes da nação.
  • Só o conteúdo essencial.
  • Oportunidades de emprego abundantes.
  • TOP 1 no MEC. 
Motivos que me levaram a sair da UNICAMP:
 
  • Faculdades são um caminho para o conhecimento. Hoje, existem outras formas de se aprender pela internet – de forma mais barata, rápida e eficiente – e ainda ganhar o mesmo diploma.
  • Ninguém pode ensinar nada a você. Autodidatismo é o único caminho para aprendizado verdadeiro, maestria e liberdade.
  • Um grande profissional não é definido pelo número de certificados ou diplomas, mas nas suas habilidades, conquistas e criações. Não quero saber onde você é formado, quero saber se você resolve o problema e cria resultados.
  • Os professores são bons, mas as matérias são inúteis. O famoso Pareto: só 20% da faculdade serve para algo. No meu caso (educação física), é um Pareto sob anabolizantes: 10% é útil, 90% é perda de tempo.
  • O MEC não é uma boa métrica para decidir qual faculdade você deve fazer e muito menos se você deve – ou não – fazer faculdade.
O que nos leva a próxima pergunta.
Não existe avaliação de produto honesta que não seja feita por auditoria externa.
 
Os dados do MEC e INEP sobre faculdades tem o mesmo valor de uma mãe falando que o seu filho é bonito.
 
 

Existe um exame chamado PISA que é organizado pela OECD. Ele acontece a cada três anos e avalia se estudantes conseguem aplicar na vida real o que aprenderam nas escolas.

  • Ciência.
  • Leitura.
  • Matemática.
  • Solucionar problemas.
  • Finanças pessoais.
Como bom brasileiro você deve estar se perguntando: “em que lugar a pátria amada ficou?”Aqui os resultados:

  • 2018 – Brasil em 66º de 77 países.
  • 2015 – Brasil em 63º de 70 países.
  • 2012 – Brasil em 58º de 65 países.
A resposta da educação não está na escola, amigos. Custe 4000 por mês ou 400. Inteligência está na conduta individual.
 
Não pergunte o que o Brasil pode fazer pela sua educação, se pergunte o que você pode fazer pela sua educação.
Quem liga se você tem faculdade?
 
Quem acredita que diploma e competência são sinônimos?
 
Se você perder uma vaga exclusivamente pela ausência de um diploma, fique feliz!  Você não iria se dar bem trabalhando para um grupo de pessoas com ervilhas neurais.
 
Como ter sucesso então? 
 
Não existe resposta certa, mas competência, persistência, curiosidade e ação são um ótimo começo.
  • Crie uma empresa. O que é um lixo? O que deixaria a vida mais fácil? Qual é a coisa mais irritante na minha vida? Resolva um problema. Cobre o mínimo que alguém esteja disposto a pagar. Melhore no longo prazo.
  • Trabalhe como voluntário. Se um diploma abre portas, trabalhar de graça explode casas. Quer seu emprego dos sonhos? Trabalhe para eles sem cobrar um centavo por uma semana. Mostre suas habilidades. Mostre sua sede por aprendizado. Dê ideias. Mostre potencial. Isso supera qualquer canudo acadêmico.
  • Leia livros. Existem milhões de livros no mundo. Cada um escrito para uma pessoa, para um problema, para um objetivo. Você só tem que achar o seu. A humanidade cometeu milhões de erros até aqui. Aprenda com os erros deles.
  • Faça uma viagem. Conheça diferentes pessoas, culturas e lugares. Isso vale mais que qualquer aula de geografia.
  • Faça academia e coma bem. Comece sendo independente de remédios, dores e inseguranças na área mais importante: sua saúde.
  • Aprenda sobre finanças. Gaste melhor. Ganhe mais. Invista bem.
Aprender a aprender sozinho não é um talento, é uma habilidade.
 
Ninguém nasce sabendo estudar sozinho. Isso é aprendido com erros, disciplina e persistência.
 
O começo será doloroso, mas o tempo sara feridas e engrossa peles.
 
Logo, aprender sozinho não será  uma alternativa. Aprender sozinho será o único caminho.
 

Como começar? 

  • Comece pequeno. A tarefa deve ser tão pequena que seja inevitável. Melhore 1% todos os dias e a cada ano você ficará 37x melhor.
  • Use a regra dos dois minutos. Não dá para ler 20 páginas, leia 2. Não dá para ir para a academia? Faça um treino em casa de 10 minutos. O pouco dá uma surra no nada.
  • Use a regra dos dois dias. Se hoje está difícil, sinta-se livre para pular. Porém, nunca passe mais de dois dias sem fazer sua tarefa. Um dia é descanso. Dois, é o começo de outro hábito.

Faça isso até ficar automático.

  • Leitores, leem.
  • Atletas, treinam.
  • Autodidatas, aprendem sozinhos.
Disciplina não é um dom. É um músculo. 
 
Use-a ou perca-a.
Como as faculdades tem funcionado para arranjar empregos?
 
O número de diplomas cresce na mesma proporção de que o desemprego aumenta.
 
A maioria das pessoas sai da faculdade com o mesmo número de oportunidades de emprego do que quando entrou. Muitas vezes trabalhando em lojas, comércios e empresas pagando bem menos do que deveriam.
 
 
O que fazer então? Dois palpites:
 
  • Empreender. Crie soluções. Sirva as pessoas. Resolva problemas. Não procure empregos, crie empregos.
  • Atitude. Ligue para as empresas, mande e-mails, entregue 5 ideias que eles podem usar para economizar ou ganhar mais dinheiro. Mostre o potencial e trabalho. Isso conta mais do que qualquer currículo.
Qualquer um que diga isso falhou na prova de estatística. 
 
Correlação não é causação. 
 
Nos últimos anos, todos foram para a faculdade. Faz sentido pessoas ambiciosas e educadas ganharem (em média) mais que pessoas que não terminaram o fundamental.
 
Aqui um teste melhor que ninguém fez.
 
Pegar 2000 pessoas que foram aceitas na USP e UNICAMP e, de forma aleatória, forçar 1000 delas a não ir para faculdade. Em 20 anos analisamos quem teve mais sucesso.
 
A minha aposta é nos 1000 que não foram para a faculdade.
 
Eles errariam mais, teriam mais experiência, estariam com a pele no jogo, teriam que aprender na raça, sobreviver e sentir dor. E melhor: com uma vantagem de 5 anos sob seus competidores acadêmicos que ainda estariam estudando crase.
Nada.
 
Ninguém liga.
 
“Você vai parar de ligar para o que os outros pensam sobre você quando descobrir quão raramente eles o fazem.” – David Foster Wallace.
 
Seus pais e amigos ligam.
 
Eles podem ficar tristes por você largar a faculdade – por 7 dias. 
 
E você, livre – por 4 anos.
Por que a pressa?
 
Você vai viver até os 100. 
 
Se evitar bebidas, cigarros e acidentes de carro.
 
‘Ficar para trás” é um problema de referencial.
 
Vamos jogar o jogo da comparação? Beleza.
 
Primeira regra: só se compare com quem você foi ontem.
 

Foque em ficar 1% melhor todo dia.

  • Mente.
  • Corpo.
  • Relacionamentos.
  • Espírito.
O resto não importa.
Famosos:

  • Mark Zuckerberg. Facebook & Instagram. Você o conhece.
  • Bill Gates. Criou o computador.
  • Steve Jobs. Criou o celular da maçãzinha (Iphone)
  • Silvio Santos. Famoso por pegadinhas, “aviõezinhos” e barras de ouro.
  • Flávio Augusto. Bilionário, criador da Wise Up, crítico da boiada e pesadelo do ensino formal.
  • Walt Disney. Do Pateta ao Frozen. Do Rei Leão ao universo Marvel. O homem que mais tocou corações de crianças e adultos na história.
  • Michael Dell. Seu sobrenome é a sua empresa.
  • Larry Ellison. Criador da Oracle – uma empresa de software e tecnologia.
  • Larry Page. Se você encontrou esse artigo pelo Google, vamos agradecer ao criador dele.
  • Tony Robbins. Mestre dos coachs. Famoso por palestras de 8 horas, voz rouca e motivação infinita.
Menos famosos:

  • Charles Chaplin. Filmes em preto e branco, risadas do chaves e bigodinho.
  • Thomas Alva Edison. Mande um “obrigado” se você tem lâmpadas em casa.
  • Henry Ford. Gosta mais de carros do que de cavalos? Ele é seu herói.
  • Irmãos Wright. Bicicleteiros que acabaram criando o avião.
  • Mark Twain. Escritor americano e autodidata profissional.
  • Al Pacino. O poderoso chefão.
  • Frank Sinatra. Cantor, “New York” e sedutor.
  • Ernest Hemingway. Escritor e nobel de literatura.
  • John D. Rockefeller. Dono de uma empresa de óleo, um dos homens mais ricos da história e doador profissional – 500 milhões para ser exato.
  • William Shakespeare. Ter um diploma, ou não, eis a questão.
  • Richard Branson. Fundou mais de 500  empresas. Vende música, livros e viagens de avião. 
  • Ray Kroc. Sanduíches + Palhaços + Brinquedos + Obesidade = Bem vindo ao McDonald ‘s.
  • Steven Spielberg. ET ‘s, tubarões e dinossauros.
  • Michael Faraday. Criador do primeiro gerador elétrico e pioneiro no eletromagnetismo.
  • Nikola Tesla. Distribuição e geração de eletricidade.
 
Um cara normal:
 
 
Com quantos anos eles largaram a escola?
 
 
Sucesso nasce apesar da faculdade, não por causa da faculdade.

***

Fechamento

“Você só consegue conectar os pontos olhando para trás.” – Steve Jobs

Lutero era um medroso. 
 
Acha que ele pregou as 95 teses de peito estufado na porta da maior igreja da época? 
 
Doce ilusão. 
 
O que seus amigos padres pensariam? O que a igreja pensaria das suas rebeldias? O que seu pai pensaria sobre sua tentativa de explodir o clero?
 
“É melhor engavetar esse pergaminho…”
 
Dias. Semanas. Meses. A escrivaninha ficou pesada. Ele odiava aquela escrivaninha. Bastava um olhar para um ensaio de parada cardíaca.
 
Até que um pequeno passo foi dado.
 
“Isso deu muito trabalho para ficar em uma gaveta. Vou mandar para o Ademar. Quem sabe ele goste.”
 
E o documento foi enviado.
 
E o Ademar passou para Juraci. E a Juraci para Josemar. E o Josemar para Cristiane. E, como um vídeo no Youtube, a mensagem viralizou.
 
Alguns amaram, outros odiaram. Lutero ganhou seus primeiros haters. Os Padres exigiram uma explicação. A mãe igreja estava decepcionada com seu filho rebelde.
 

Um acordo foi firmado. Lutero defenderia seus pontos de vista em um debate.

Ele foi o primeiro a falar:

  • Indulgências? Fraude.
  • Fé? O único caminho.
  • Bíblia? Um direito de todos.

A palavra para os defensores da igreja.

  • É…
  • Bom…
  • Veja bem…
“EXCOMUNGUEMOS ELE!”
 
Lutero foi perseguido, xingado e jurado de morte. Suas audácias seriam renovadas a fogo – literalmente. 
 
Lutero se escondeu. A luz das suas ideias foi trocada pela sombra do seu medo. Cada dia no plano terreno era um presente divino. A qualquer momento alguém poderia ceifar sua existência.
 
Felizmente, as mensagens de Ademares atingiram um Frederico, conhecido como o sábio, que também era príncipe da Saxônia. Ele protegeu nosso padre teimoso. Deu refúgio, comida, uma pena, tinta e papel – tudo que ele precisava. 
 
Lutero passou o resto da sua vida dedicado às suas ideias. Ou melhor, suas ideias se tornaram sua vida. Continuou escrevendo, ensinando jovens e se casou, selando para sempre seu rompimento com a antiga igreja.
 
Educação criou sua visão, que criou sua opinião, que criou sua ação, que mudou sua vida, a Igreja e todos nós.
 
Podemos fazer o mesmo. E sem as consequências.
 
  • Você não será jurado a fogueira pelos seus colegas universitários.
  • Você não será perseguido pela mãe faculdade.
  • Você não tem só pergaminhos, mas a sabedoria da humanidade na internet.

Podemos perder a miopia cerebral e começar a ver.

  • Faculdades vendem diplomas, não educação.
  • Autodidatismo é o único caminho.
  • Ideias romperam as barreiras acadêmicas e fluíram para o oceano digital.

Podemos criar coragem e aprender o que importa.

  • Comunicação.
  • Pensamento crítico.
  • Finanças.
  • Esportes.
  • Empreendedorismo.

Podemos virar autodidatas e cavalgar nossa própria educação.

  • Usando a internet.
  • Aprendendo habilidades.
  • Trocando o passivo pelo ativo.
  • Lendo.
  • Explorando o mundo para encontrar quem nós somos.

Não assim.

  • Provas.
  • Memorização.
  • Questões de múltipla escolha.
  • Aulas inúteis.
  • Professores fazendo hora.
Mas assim.
 
  • Estudo focado, prática intensa.
  • Sem memorização, só pesquisa.
  • Sem respostas certas, só perguntas interessantes.
  • Aulas incríveis.
  • Professores apaixonados e experientes.
De um em um. De mente em mente. Juntos. Somos a diferença.
 
Obrigado por ler, Ademar.
  • O próximo guia é especializado na área da saúde. Entre na minha lista de emails para ser avisado quando ele for ao ar.
  • Obrigado as inspirações deste artigo:
    • James Altucher.
    • Jordan Peterson.
    • Nassim Taleb.
    • Prof. Pierluigi piazzi.
    • Flávio Augusto.
    • Seth Godin.
    • Ícaro De Carvalho.
    • David Perrel.
    • Steve Jobs.
    • Prager U.
    • Bill Gates.
    • Ryan Holiday.
    • Nat eliason.
  • [1] – Contrário ao saber popular, a maioria das pessoas levam 5 anos para se formar – não 4.
  • [2] – O gato passa bem.
  • [3] – Fonte.
  • [4] – Quem não gostaria de uma pequena aula de aviação com o Santos-Dumont?
  • Sobre a faculdade do Elon musk: Nesse artigo para o The Guardian, ele fala que faculdades são para brincar, não para aprender. E que você pode aprender tudo o que quiser sozinho.

Estudos:

  • Mais da metade (56%) dos donos de pequenos negócios nos EUA não possuem curso superior completo. Isso mesmo, eles criam empregos para a metade das pessoas – sem terminar, ou nunca ir, para uma universidade [1]
  • De acordo com um estudo da universidade de Georgetown, existem 30 milhões de empregos nos EUA pagando acima dos $55.000 anuais que não pedem um curso superior [2]
  • 34,3% dos Brasileiros possuem curso superior. Ou seja, 65,7% deles não possui.
    • 49,3 milhões de empreendedores no Brasil.
    • 2 milhões dos empreendedores possuem ensino superior completo.
    • O grupo no Brasil com maior taxa de empreendedorismo (23,9%) é o que tem apenas o ensino fundamental completo.
    • 8 milhões de empreendedores não completaram nem o ensino médio.
IM

📄 Outros artigos que você pode gostar

📄 Outros artigos que você pode gostar

🤝 Conte a um amigo
🤝 Conte a um amigo ​
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email
Share on twitter
Share on linkedin
📕 Livro grátis

Receba o meu livro com os 7 princípios IM para ter resultados sendo natural.

Receba o meu livro com os 7 princípios IM para ter resultados sendo natural.

Foque no essencial. Pule as besteiras. Economize anos de erros.  

Foque no essencial.
Pule as besteiras.
Economize anos de erros.  

Sem spam. Sem suplementos inúteis. Saia a qualquer momento.
Só as melhores ideias sobre treino, nutrição e livros.
Sem spam.
Sem suplementos inúteis.
Saia a qualquer momento.
Só as melhores ideias sobre treino, nutrição e livros.
Eu em 10 segundos
 
Meu nome é Matheus. Sou o criador do Inteligência Muscular. Um site sobre treino, nutrição e livros. 
 
Entrego as melhores ideias da internet de uma maneira simples e prática. Centenas de pessoas acessam meus artigos todo mês.
 
Quando não estou escrevendo, ajudo pessoas inteligentes a construir físicos incríveis. Sem drogas. Sem dores. Sem decepções. Veja aqui.
IM